Copacabana e Isla del Sol (BOL): a parte mais bonita do lago Titicaca

copacabana

Dizem que a civilização Inca começou aqui, em Copacabana, às margens do lago Titicaca. A cidade, que inspirou o nome do famoso bairro carioca, é, sem dúvida, umas das mais bonitas da Bolívia e um dos tradicionais destinos às margens do lago mais alto do mundo. Além de ser segura e tranquila, tem um clima agradável e é um destino turístico barato (ok, à noite faz frio e o mal de altitude pode ser um problema se você não está ambientado).

Copacabana está a 3841 metros acima do nível do mar e fica perto de Kasami, a nome da fronteira mais utilizada para quem vai da Bolívia para o Perú e vice-versa. A cidade ainda é base para quem quer conhecer as Islas del Sol, de la Luna e del Sapo e está rodeada por templos incas. Dizem que a civilização teve início na região e as terraças nas motanhas, utilizadas para plantar milho, ainda são utilizadas pelos moradores.

Como chegar na Isla del Sol

titicaca

A Isla del Sol é considerada o berço da civilização Inca. São três as cidades principais, todas elas com pouca estrutura. Não há, por exemplo, nem mesmo energia elétrica em Challapampa (no norte), Challa (centro) ou Yumani (no sul).

Mesmo assim, as belezas proporcionadas pelo lago Titicaca e a Cordillera Real atraem muita gente para o território, seja para uma caminhada de um dia de um extremo ao outro da ilha ou para se hospedar lá uma ou algumas noites.

ciudad-yumani-isla-sol
Yumani, a cidade ao sul da Isla del Sol

O barco para a ilha sai duas vezes ao dia do porto de Copacabana, uma às 8h e outra às 13h. Não é necessário contratar empresa de turismo, basta chegar no porto e comprar um bilhete em uma das duas empresas constituídas por uma cooperativa de moradores. O trecho custa BOL 25 (R$ 12,50) até a cidade do norte e BOL 15 (R$ 7,50) até a do sul.

A primeira parada é sempre Challapampa, levando de duas e meia a três horas a viagem. O mais comum é que se desça na cidade do norte, percorra-se o Willka Thaki e, pela tarde, se toma o barco em Yumani para voltar.

P.S.: O norte da ilha (Challapampa e Challa) pode estar fechado em razão de conflitos entre os moradores das duas cidades. Informe-se sobre ao chegar em Copacabana.

Willka Thaki

willka-thaki

A estrada cruza a Isla del Sol de norte ao sul e passa pelos principais sítios sagrados da ilha, como o Templo del Sol e uma mesa de sacrifícios. Ao descer em Challapampa, os turistas serão recebidos por um morador que oferecerá os serviços de guia. Para entrar no Willka Thaki e cruzar cada um dos três setores, é necessário pagar três pedágios, que custam de BOL 10 a BOL 15 o trecho.

As cidades da Isla del Sol

A cidade mais comercial e com mais estrutura é Yumani, cheia de restaurantes e hostelarias. O destino favorito de quem é mochileiro acaba sendo Challapampa. Geralmente, se busca hospedagem na casa de um morador local, podendo-se obter uma boa barganha. Não sei de ninguém que tenha dormido em Challa, mas havendo casas e moradores, é possível.

O que fazer em Copacabana

Subir o Cerro Calvário

monte-cerro

O Cerro Calvário era um sítio sagrado para os Incas até a chegada dos espanhóis. Hoje, segue sendo um lugar de oferendas e um mirador da cidade e do lago Titicaca.

É possível subir o cerro por uma estrada que parte de uma igreja ou então pela encosta montanha. Basta seguir a margem do lago até onde há um bloqueio do exército e subir. É preciso dar uma escaladinha, nada muito técnico, porém pode ser cansativo. Lembre-se que você está a quase quatro mil metros de altura.

Comer no porto

porto-copacabana

O porto de Copacabana é pequeno, composto por vários barcos de pesca. Há vários restaurantes na orla (eles chamam de costaneira) e pode-se conseguir uma truta inteira preparada das mais diversas formas por menos de R$ 15.

Conhecer a Plaza de Armas e a Basílica de Copacabana

basilica_copacabana

A edificação data de 1550, com reformas a partir de 1600. Até hoje, é um lugar de culto para os critãos bolivianos. Há, inclusive, uma peregrinação que tem como destino a Basílica de Copacabana.

Ir até La Horca del Inca

horca-del-inca

Outro local que foi sagrado para os Incas. Está no lado oposto da cidade onde fica Cerro Calvário. Este não sofreu intervenção espanhola. Historiadores acreditam que o local começou a ser utilizado como observatório astronômico desde 1700 A.C., período pré-incaico. Há umas cinco quadras dali, ainda é possível visitar o Trono del Inca (a entrada é do lado de um posto de gasolina).

Dicas

– Muita gente busca fazer um passeio “bate-volta” desde Puno, o que é impossível. A fronteira fecha à noite e só reabre de manhã, por isso não existe ônibus noturnos.

– O lugar é turístico, mas também super barato. Os restaurantes acabam saindo um pouco mais caro, mas há um grande número de hospedagens e é possível conseguir uma ótima pechincha por lá.

Não vá com agência para a Isla del Sol. Basta ir ao porto, no guichê da cooperativa dos moradores. Os barcos saem duas vezes por dia e, mesmo contratando um guia na ilha (isso sim é interessante), você irá economizar uma boa grana se comparado com o que cobram as agências.

incas-titicaca
Sítio arqueológico inca na Isla del Sol

Onde dormir

O que não falta, em Copacabana, são hoteis e hosteis para dormir. Na beira do lago existe, inclusive, há um camping! Se você for de ônibus, pela companhia Titicaca, é bem possível que o próprio motorista ofereça um quarto por US$ 10. Consegui um por US$ 15, privado, com banheiro, cabo e café-da-manhã, na avenida Busch (há vários hoteis por ali).

isla-del-sol-1

Onde comer

O porto é um bom lugar para comer, mas os locais mais baratos ficam na volta do mercado público. Evite o entorno da Praça de Armas se busca um lugar econômico para comer.

Como chegar

De Puno (Peru): Os coletivos grandes saem às 10h, 10h30 e 14h da rodoviária. Há ainda mini-vans que saem a todo momento, porém não atravessam a fronteira, sendo necessário cruzá-la a pé e depois tomar outra mini-van do outro lado da alfândega. Os ônibus grandes custam PER 45 (R$ 45).

De La Paz: Basta pegar um ônibus na rodoviária, a partir de BOL 30 (R$ 15).

Se você vai viajar para a Bolívia, pode se interessar por:

– Nossas dicas para você não entrar em furada quando for fazer a travessia Salar de Uyuni – Deserto do Atacama;
– Como você pode economizar viajando pela Bolívia;
– Como é e o que fazer em Cochabamba, a cidade da eterna primavera;
– O Parque Toro-Toro, considerado um dos mais bonitos da América do Sul.

yumani
Yumani, na Isla del Sol

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.