San Pedro do Atacama barato: o que fazer de bicicleta e onde comer!

cidade san pedro atacama

Se você via pra San Pedro do Atacama, prepare o bolso! A cidade é totalmente voltada ao turismo e encontrar opções econômicas de hostels, restaurantes e passeios não é fácil.

Como a maioria das atrações está localizada longe da cidade e não há ônibus coletivos para as atrações, as empresas de turismo aproveitam para cobrar caro nos tours. Somando o ingresso para entrar nos locais, não é difícil gastar R$ 200 por dia só em um passeio. Claro que sempre existem opções. Uma das sacadas em San Pedro é alugar uma bicicleta para visitar algumas lagoas e sítios arqueológicos.

Confere aí as nossas dicas de passeios, hosteis e restaurantes para não sair totalmente endividado do deserto do Atacama.

Alugue uma bicicleta

bicicleta deserto atacama

O que não falta, em San Pedro, é tenda para alugar uma bicicleta. Em média, são cobrados 3.000 CHL (R$ 15) por quatro horas e 7.000 CHL (R$ 35) o dia. Sempre preste atenção na bicicleta que pretende pegar, se ela está realmente em condições de ser usada. Itens como uma suspensão são indispensáveis se você quer ir até o Vale de la Luna ou a laguna Cejar.

Algumas agências permitem que você alugue a bicicleta pela noite caso queira sair muito cedo pela manhã e, assim, evitar o sol da tarde. Também não esqueça de pedir uma tranca. San Pedro é uma cidade pequena e tranquila, dessas que você pode caminhar a hora e onde quiser que não passa nada. Porém, a incidência de roubos de bicicleta é grande.

Não só no Atacama, mas em outros lugares da América do Sul, a bicicleta também é uma boa alternativa de passeio econômico e que lhe dá mais liberdade para explorar cada um dos destinos.

O que fazer

Garganta del diablo

Está há trinta minutos de bicicleta da cidade de San Pedro. É um pequeno vale de montanhas cujas paredes formam corredores estreitos e pequenas cavernas. Perde-se trinta, quarenta minutos para percorrer o local.

Para chegar, é preciso tomar a estrada que passa a direita do povoado, saindo no lado da cidade contrário ao cemitério. Dependendo do ano, será necessário atravessar o canal do Atacama duas vezes. Há sinalização pelo caminho.

Antiga ponte e mirador

mirador tunel

Pela mesma estrada que se vai para a garganta do diabo, porém uns 10 minutos antes de chegar lá, há uma placa indicando o caminho para um mirador e uma ponte. Para chegar, basta atravessar a ponte, o túnel e subir a esquerda. De cima, tem-se uma bela vista do vale, mas já aviso que será impossível subir em um dia de muito vento. Caso você atravesse a ponte e o túnel e seguir pela estrada, vai chegar no Vale de la Luna.

Vale de la Luna

O belo parque está a pouco mais de 10km da cidade. Eu recomendaria reservar o dia para poder percorrer bem o vale, pois é cheio de subidas e descidas. A entrada custa 5000 CHL (R$ 25). Muita gente faz o passeio à noite para ver as estrelas. De cara, já não paga entrada ao Vale.

Lagunas Cejar, Ojos del Salar e Tambinquiche

laguna cejar

É aqui que se separa as crianças dos homens. Se você quiser fazer o circuito inteiro, serão 100km no pedal (a Tambiquiche está localizada a 50km do pueblo). O caminho é plano e, até a Laguna Cejar, a estrada é perfeita, sendo possível fazer os 30km desde San Pedro em uma hora e meia. Depois, é possível que o caminho esteja transformado em um lodal.

Como estive no Atacama em janeiro, bem na temporada de chuvas, tive que empurrar a bicicleta em vários trechos para chegar até a Laguna Tabinquiche. O estado da estrada era tal que, quando cheguei, não me cobraram o ingresso (3.000 CHP ou R$ 15) pois era a primeira pessoa a chegar lá em três dias.

Mas dizer que vale a pena. Deixa a Laguna Cejar (cuja entrada custa 10.000 CHL, ou R$ 50) no chinelo. Já as Lagunas Ojos del Salar são grandes buracos na areia onde os turistas costumam nadar. Ah, não esqueça de levar, pelo menos, quatro litros de água.

laguna ojos del salar

Pukará de Quitor

O sítio fica na mesma direção que a Garganta del Diablo, porém seguindo a estrada que fica do lado esquerdo da cidade. Essa, inclusive, pode-se fazer a pé: são trinta minutos de caminhada desde o pueblo.

A entrada de Pukara da direito a visitar dois sítios arqueológicos (o outo se encontra a dez minutos dali) e um mirador e custa 5.000 CHL (R$ 35). É possível fazer o passeio e logo depois seguir para o roteiro da Garganta del Diablo.

Onde dormir

vulcoes atacama

O mínimo que se paga, oficialmente, por uma cama, são 12.000 CHL (R$ 60), com possibilidade de baixar para 10.000 CHL com alguma negociação. Esses hosteis são os mais baratos que encontrei e estão localizados na rua do cemitério, perto da Aduana. Uma cama nas ruas próximas a praça chega a custar quatro vezes mais.

Se você tem uma graninha a mais pra gastar, indico o pessoal da Sorbac, que tem um hostel perto de Pukara de Quitór (uns 20 minutos caminhando da cidade ou 5 de bicicleta). Os caras conhecem muito bem a região, são super buena onda e possuem uma agência que oferece tours distintos do padrão das demais agências.

Onde comer

Novamente, os lugares mais baratos para comer (3.000 CHL ou R$ 15) estão perto do cemitério. Há uma feira perto onde vende-se frutas, verduras e diversos outros produtos a preços melhores que no mercado e tendinhas-restaurantes.

san pedro atacama

Melhor época

Janeiro e fevereiro não são meses muito indicados de ir ao Atacama por ser a temporada de chuvas na região. Eu estive lá essa época e era temporal todos os dias, a partir das três da tarde. Pelas baixas temperaturas (principalmente nas partes mais altas), o inverno também não é indicado.

vucloes atacama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.