É possível fazer transferências internacionais pelo PIX?

Em poucos meses, o PIX, lançado pelo Banco Central do Brasil, já se tornou a principal forma de fazer transferências bancárias no país. Além da rapidez com que as operações são feitas, o sistema é totalmente gratuito e não se paga nenhuma taxa, o que ajudou a popularizar essa forma de acessar serviços bancários. Mas será possível utilizar o PIX para facilitar uma viagem para o exterior e fazer transferências internacionais?

Infelizmente, a resposta da nossa pergunta é não. O PIX só pode ser utilizado em transferências nacionais. Ainda! 

Isso porque o presidente do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, já afirmou que há uma meta do uso do PIX ser viabilizado para transferências e compras internacionais até 2023. Porém, isso demandaria a aprovação de uma nova legislação por parte dos deputados e senadores, o que até agora não entrou na pauta do parlamento brasileiro e nem parece que vai entrar nos próximos meses.

Enquanto isso não acontece, as melhores alternativas continuam sendo a Wise, sistema que tem algumas limitações, e o Western Union. Aqui, você pode conferir e comparar as taxas que os bancos brasileiros cobram para saques em caixa eletrônico no exterior.

Alternativa para fazer câmbio no exterior

Uma das maiores dúvidas ao planejar uma viagem ao exterior continua sendo a forma de realizar pagamentos e fazer a troca da moeda do seu país para aquela utilizada no destino. Enquanto os bancos cobram altas taxas de transferências e saques, muitas casas e corretoras praticam câmbio em índices acima do câmbio oficial.

Cartões de crédito e de débito são bem mais seguros do que andar com dinheiro vivo por aí – é inegável. O grande problema são os impostos. Só o governo Federal cobra 6,38% de IOF por cada operação. Ainda é necessário pagar as taxas de câmbio, sempre fora da realidade, cobradas pelos bancos.

Algumas alternativas são o Western Union e o Wise, cujo IOF fica em 1,1%. As empresas também praticam câmbios semelhantes aos oficiais. No caso do Western Union, o grande problema são as taxas de envio. Para valer a pena, será necessário enviar um valor alto, que terá que ser sacado em espécie em alguma loja da empresa.

Já a Wise é uma empresa que existe há mais de dez anos e recentemente mudou de nome, era conhecida como TransferWise. No caso da Wise, as taxas são muito pequenas, o problema é o acesso ao dinheiro: será preciso ter uma conta no país de origem ou ter algum parente ou conhecido para onde você possa enviar o dinheiro a ser trocado.

Está indo viajar e tem dúvidas em como fazer câmbio? Confira 8 formas de trocar dinheiro no exterior e as vantagens e desvantagens de cada um deles!

Henrique Lammel

Jornalista e produtor de conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.