Salinera de Maras prova que o Peru é muito mais do que Machu Picchu

salinera de Maras Peru como chegar

O Vale Sagrado dos Incas ficou conhecido no mundo inteiro por causa de Machu Picchu, mas o que não faltam nessa região são cidades, sítios arqueológicos e naturais de encher os olhos. Um dos mais incríveis, sem dúvida, é a Salineira de Maras, localizada na cidade de Maras, a pouco mais de uma hora de distância de Cusco.

Neste artigo, saiba tudo o que você precisa para conhecer este lugar surpreendente localizado no Peru!

A Salineira de Maras, no Peru

A mina de sal de Maras é formada por mais de cinco mil poços em terraças, com 5 metros de diâmetro, irrigados pelas águas quentes e salgadas que vem de dentro da montanha Qaqawiñay.

Na época de seca, o sal é extraído de forma artesanal, da mesma forma como faziam as civilizações pré-inca que descobriram a salinera. Maras, obviamente, era responsável pelo abastecimento de sal do Império.

Além de caminhar em meio às brancas terraças, é possível comprar o sal extraído da mina, utilizado principalmente para alimentação.

O mais incrível é que ninguém sabe exatamente porque há tanto sódio na água. Há quem diga que a salinização da água é provocada por reações químicas consequentes do movimento das placas tectônicas, mas há teorias sobre uma laguna oceânica que ficou presa durante a formação dos Andes.

Como chegar na Salineira de Maras

Até Maras de tour coletivo

A forma mais fácil de chegar até a Salineira é comprando um tour nas agências de Cusco chamado “Maras y Moray”, que custa a partir de PER 30. O tour dura o dia todo (das 9h às 16h), passando por alguma tecelagem artesanal em Urubamba, além da salineira e o sítio arqueológico de Moray, onde os incas faziam experimentos agrários.

Este tour é comercializado pelas principais agências de Cusco e as vans e micro-ônibus saem do centro da cidade, próximos da Plaza San Francisco. O valor não inclui refeições nem entrada para as atrações, apenas guia e transporte.

Até Maras de forma autônoma

Vans para a cidade de Maras saem do terminal da Calle Pavitos e custam cerca de PER 7. De lá, pode-se fazer uma trilha autoguiada até as Salineiras, que tem cerca de três quilômetros. Um taxi não vai lhe custar mais do que PER 15.

Muitos turistas que fazem a trilha optam por não voltar para Maras, já que ela segue descendo por mais 4 quilômetros até a cidade de Urubamba, com muito mais opções de transporte coletivo até Cusco ou outras cidades do Vale Sagrado como também de restaurantes e hospedagens.

Desde Cusco, ainda é possível pegar um taxi ou um Uber até a Salineira a partir de PER 40.

Está gostando das dicas?

Então lhe convidamos para conhecer o Guia do Mochileiro Aventureiro – Machu Picchu e Cusco. Ele reúne todas as informações que você precisa para fazer uma viagem única, do seu jeito, por Machu Picchu, Cusco e o Vale Sagrado do Incas com duração de 3 dias a 2 semanas! Clique aqui e saiba mais.

Custos e entrada

Além dos gastos com transporte, é preciso pagar PER 10 de entrada. Diferente das demais atrações do Vale Sagrado, a mina de Maras não integra nenhum dos bilhetes turísticos, sendo necessário pagar o ingresso em separado, que é vendido somente na entrada da mina, não sendo possível comprar antecipado.

Atualização

A partir do dia 15 de julho de 2019, não será mais permitido que os turistas tenham acessos às terraças da Salinera e caminhem por entre elas. O principal motivo são questões relativas a higiene do sal, que ainda é extraído da mina e continua sendo exportado para todo mundo.

Entretanto, o acesso a salinera e ao mirador continua permitido, de forma que este continua um passeio imperdível para quem vai conhecer Cusco.

A lenda de Maras

A salineira de Maras já era conhecida e seu sal extraído por civilizações pré-incaicas. Acredita-se que esses povos tenham sido dominados logo no início da formação do Império, de forma que lendas envolvendo a montanha remontam às origens dos incas.

Conta a lenda inca que Ayer Kachi dividia a liderança do Império com seus dois irmãos, que o aprisionaram dentro da montanha Qaqawiñay. Kachi agora chorava dentro da montanha, enchendo os poços com suas lágrimas.

Henrique Lammel

Jornalista e produtor de conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.