Cochabamba: o que fazer em uma das cidades mais agradáveis da Bolívia

praça cochabamba

Geralmente, quem visita Cochabamba busca duas coisas: conhecer o parque Toro-Toro ou fazer um “pit-stop” em uma viagem entre La Paz e Santa Cruz de La Sierra, trajeto que dura cerca de 18 horas e tem a cidade localizada no meio do caminho.

Aos 2 mil metros do nível do mar, Cochabamba é um ponto estratégico para quem está indo a La Paz (3600 metros do nível do mar) e quer reduzir os sintomas do soroche, o mal de altitude. Uma das recomendações é deixar o corpo ir se acostumando a altitudes cada vez maiores, aclimatando-se ao ar com menos oxigênio.

Por causa de seu clima agradável, Cochabamba é chamada de “cidade da eterna primavera”. Não costuma chover em excesso e a temperatura fica nos 20º na maior parte do ano (a precipitação é maior nos meses de dezembro a fevereiro, o chamado inverno boliviano ou altiplânico). Com isso, a cidade, que possui uma população de 600 mil habitantes, é uma das mais bonitas da Bolívia, com seus inúmeros parques de canteiros sempre verdes e floridos.

mirador cochabamba bolivia

Diferente da caótica La Paz ou da histórica Sucre, Cochabamba é uma cidade organizada. Há diversas baladas e bares legais, principalmente fora da temporada de férias, pois há diversas universidades que atraem estudantes brasileiros e até de outros países sul-americanos.

Uma curiosidade: em Cochabamba, foi construída uma estátua de cristo maior que a do Rio de Janeiro, no cume de um morro.

Quanto tempo ficar

Um dia é o suficiente para conhecer os principais pontos da cidade. Mas, se você quiser conhecer o (imperdível) parque Toro-Toro ou cidades próximas, como Villa Tunari, recomendamos, no mínimo, três dias.

O que fazer

Ir a Toro-Toro

trekking toro toro bolivia

Cochabamba é o melhor caminho para quem quer conhecer o parque de Toro-Toro, localizado em uma cidade de mesmo nome. Ele geralmente está nessas listas de parques pelos quais todos os viajantes que percorrem a América do Sul devem conhecer. Além dos cânions e as formas geológicas incomuns, Toro-Toro é um dos mais importantes sítios arqueológicos do continente: foram encontradas milhares de pegadas e fosseis de dinossauros no território do parque.

Subir até o Cristo de la Concórdia

cristo cochabambaFica no início de uma das principais avenidas da cidade, a Avenida Las Heroinas. A estátua é dois metros maior que a do Rio de Janeiro, medindo 40,44 metros de altura. Pode-se subir e descer por uma escadaria (não se paga nada, porém não é recomendado utilizá-la no fim da tarde pelo risco de assaltos) ou por um teleférico (BOL 15 por trecho ou 25 BOL para subir e descer).

Se sua escolha for subir pela escada, prepare-se para uma boa subida, possivelmente totalmente exposta ao sol, e não esqueça de levar bastante água para se hidratar. Se a ideia é subir de teleférico, deve tomá-lo dentro de um parque, na Avenida Las Heroínas com a rua Carlos Muller.

Mais que o cristo, o topo do morro permite uma bela vista panorâmica de toda a cidade.

Visitar o Jardim Botânico

jardim botanico cochabambaFica a 500 metros do Cristo de la Concórdia e, pela sua proximidade com a outra atração, vale passar um tempo pelo parque. Conserva inúmeras espécimes de plantas e está sempre bem cuidado. Inclusive, tem um jardim exclusivo para cactus e um galpão que simula o habitat de uma floresta tropical. A entrada é grátis.

Caminhar pelo centro e conhecer o mercado La Cancha

cidade cochabamba

Cochabamba possui um pequeno centro histórico, que está no entorno da Plaza Colón, com algumas igrejas, museus e prédios que foram preservados arquitetonicamente. Umas cinco quadras em direção ao terminal de ônibus chega-se ao mercado La Cancha (no google está nomeado como mercado La Pampa).

O La Cancha é o maior dos quase dez mercados públicos que existem nas redondezas, fazendo do local o maior centro comercial que já vi na minha vida – fora as ruas de La Paz. São quadras e quadras de tendas onde você encontra de tudo e parece que não vai acabar mais!

No La Cancha tem desde frutas e verduras, passando por cosméticos, até equipamentos eletrônicas . Tenha um pouco de cuidado com seus pertences pessoais, pois há muita gente circulando por todos os lados e furtos não são incomuns no local.

Caminhar pelo Pueblito e a Recoleta

O Pueblito é um bairros residenciais mais antigos de Cochabamba. Foi um dos primeiros assentamentos indígenas na Bolívia e uma das primeiras áreas a ser povoada pelos espanhóis, ainda preservando algumas características arquitetônicas de época.

Já a Recoleta é um bairro moderno, cheio de bares e outras atrações voltadas para quem tem um poder aquisitivo maior.

.: Conheça mais destinos na Bolívia

Onde se hospedar

Não existem muitas opções de hosteis na cidade. Eu não só me hospedei, como trabalhei um mês no Jaguar Hostel (clique aqui e confira as ofertas no Booking.com). Ele está localizado pertinho do Prado (a avenida principal da cidade, também chamada de avenida Uyuni ou Avenida Humbolt).

A zona é um pouco mais cara, porém muito segura, com diversos bares, ônibus e taxis coletivos para todos os lados, próximo à rodoviária e ao centro da cidade. Sem contar o fato do Jaguar sem “buena onda” e bem limpinho. Recomendo de olhos fechados.

Onde comer

Os lugares mais baratos para comer são o Mercado La Cancha e as quadras do entorno, onde encontra-se pratos a partir de 10 BOL (R$ 5). Na Bolívia, aconselho a buscar um restaurante não “dentro” do mercado, mas próximo.

O valor da refeição continuará econômico e, com a certeza, a higiene será muito melhor. Na avenida Las Heroínas, próximo à praça Colón, há alguns restaurantes funcionando dentro de casas com pratos a 20 BOL (R$ 10), geralmente com sopa de entrada, suco e sobremesa inclusos no valor. Fique atento nas placas nas ruas.

Quando ir a Cochabamba

Deve-se evitar os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, quando chove muito na região por causa de um fenômeno chamado de inverno boliviano. Nos meses de junho e julho, as temperaturas podem baixar até os 5º. No verão, se mantém entre os 20º e os 30º.

Como chegar

De ônibus – As principais cidades da Bolívia possuem linhas diretas para Cochabamba. O preço varia muito. De La Paz, paguei 30 BOL (o equivalente a R$ 15) em um ônibus cama, de dia. Pela noite, esse preço pode triplicar. Quando deixei a cidade, fui para Sucre e paguei 65 BOL (R$ 32,50).

De avião – Um dos principais e mais modernos aeroportos da Bolívia fica em Cochabamba. Há alguns vôos diretos vindo do Peru, Argentina e até mesmo do Brasil que pousam na cidade. Também vale lembrar que ele não está localizado muito longe do centro.

praça cochabamba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.