Como chegar no V13 ou Viaduto do Exército, em Vespasiano Correa, maior férreo da América do Sul

v13 viaduto do exército rio grande do sul

O Viaduto 13, localizado na pequena cidade gaúcha de Vespasiano Correa, é a ponte férrea mais alta da América do Sul e terceira mais alta do mundo. Construída em uma região montanhosa, a obra faraônica se mistura às belas paisagens formadas pelo arroio Barraca e o vale do Rio Guaporé, que fazem do V13 um lugar único.

A região ainda oferece trilhas de bicicleta, cascatas e até circuitos de rafting descendo o Rio Guaporé, um dos poucos completamente despoluídos do Rio Grande do Sul.

Saiba um pouco mais sobre o Viaduto do Exército e onde ele está localizado!

Como chegar no V13

Não existe transporte público até o V13, sendo necessário fazer o trajeto com carro particular ou caminhando, fazendo o trekking pela Ferrovia do Trigo, que falaremos a seguir.

Vista do Rio Guaporé

De carro

Quem está em Porto Alegre, precisa ir, primeiro, até Muçum ou Vespasiano Correa. O caminho mais rápido é ir até Lajeado, pela BR 386, e depois tomar a RS-130. Esse trajeto demora cerca de 2 horas e 45 minutos.

Outra opção é ir pela Serra, o que levará algo como 3 horas e 15 minutos. Primeiro, vá até Bento Gonçalves. Aí, será necessário descer a RS 431, por Faria Lemos, até a RS 129/RS 130, em Dois Lajeados.

Existe um acesso por Muçum e outro pela própria cidade de Vespasiano Correa. O caminho por Vespasiano Correa é mais curto, porém muito sinuoso e deve ser evitado à noite e em dias de chuva. Por Muçum, faz-se um trajeto tranquilo, percorrendo a beira do rio Guaporé.

Transporte público

É preciso pegar um ônibus até Muçum ou Guaporé e de lá seguir pelos trilhos. Muçum está a cerca de 5 horas de caminhada do V13, enquanto que Guaporé está a um dia e meio de distância.

Divergências quanto ao acesso

Desde 2013, o turismo vinha se desenvolvendo sem qualquer controle nas cercanias do V13. O Viaduto, cujos trilhos continuam sendo utilizado para transporte de cargas (passa um trem por dia), também passou a ser um ponto de prática de esportes radicais, como o rappel. Até churrascos começaram a ser feitos às beiras da ferrovia.

Em 2017, a empresa Rumo, que detém a concessão de uso da EF-491, a Ferrovia do Trigo, colocou uma placa e seguranças no local proibindo o acesso ao V13. Os seguranças não estão mais lá, mas a placa continua e a prefeitura de Vespasiano diverge da empresa quanto à probição.

Infraestrutura

Logo após o ponto em que as estradas de Vespasiano Correa e Muçum convergem, formando uma única, há um restaurante. Aos pés do viaduto existem dois bares, que vendem lanhes e bebidas. Em um deles, disponibilizam também um lugar para camping, sem muita estrutura.

Há outro camping, próximo às cascatas do Arroio Barraca, também aos pés do V13, chamado Paraíso Tropical, por onde pode-se ter acesso às quedas d’água.

Sobre o viaduto 13 e a Ferrovia do Trigo

Com 509 metros de comprimento e 143 de altura, o viaduto 13 foi inaugurado, junto com a ferrovia, em 1978. A obra, com 289 quilômetros, a EF-491 começou a ser projetada logo após a Segunda Guerra Mundial, e levou mais de 67 anos para ficar pronta. Em grande parte, por causa da geografia entre Guaporé e Muçum, onde estão 21 dos 26 viadutos da ferrovia e diversas montanhas tiveram que ser perfuradas para construção de tuneis que permitissem a passagem dos trens.

Atualmente, o V13 é considerado o terceiro viaduto férreo mais alto do mundo, atrás da ponte de Beipanjiang, na China, com 275 metros de altura, e o Viaduto Mala Rijeka, de Montenegro, com 198 metros de altura.

Conheça trilhas, cachoeiras e trekkings para fazer no Rio Grande do Sul

Henrique Lammel

Jornalista e produtor de conteúdo

4 thoughts on “Como chegar no V13 ou Viaduto do Exército, em Vespasiano Correa, maior férreo da América do Sul

  • setembro 23, 2021 em 2:05 pm
    Permalink

    Olá Henrique
    Uma pergunta: gostaria de faEr o trekking Guaporé-Mucum, mas sem acampar, dormindo em Guaporé.
    Minha ideia seria deixar o carro em Guaporé, começar a caminhada por ali até algum ponto do trecho, ser trazido de volta a Guaporé por táxi/motorista de aplicativo pra dormir.
    No segundo dia, pegar o carro bem cedo e ir pra Muçum, deixar o carro ali e começar a caminhada por ali até o ponto onde terminei no dia anterior, e voltar pra Muçum de táxi/aplicativo.
    Minha pergunta é: qual ponto mais ou menos no meio do caminho você recomendaria como o melhor pra me pegar ao final dos dias de caminhada? Teria sinal de cellular em algum ponto possível pra ser está base de volta ao final dos dias? Motoristas que recomendaria?

    Sou acostumado a caminhadas e treino regularmente bem cedo, acho que não teria problema para cobrir os cerca de 25 km de metade do caminho em cada um dos dias, nem de começar a caminhada bem cedo.

    Quais suas sugestões?
    Agradeço desde já se puder me dar estas dicas parabéns pelo conteúdo publicado!

    Resposta
    • setembro 26, 2021 em 9:17 pm
      Permalink

      E ai Max! A maioria dos viadutos tem uma estrada que os liga, eu te diria que o Mula Preta é um bom ponto para sair do circuito, por exemplo, o Pesseguinho em Dois Lajeados seria outro…O Pesseguinho inclusive está quase no meio do trajeto e tem um camping organizado ali. Mas assim, da RS/BR até os viadutos é um trecho, às vezes, de mais de 10km…O mesmo trecho que nos trilhos são 10km, pela estrada seriam 40 km…

      Acho que o seu outro problema é sinal de celular, pois não tem sinal em todo o trajeto.

      Inclusive, te dizer que a parte “bonita mesmo” é entre pouco antes do Mula Preta até pouco depois do V13. Você caminhar de Guaporé até o Mula Preta e voltar, por exemplo, não vai ter visto muita coisa.

      Minha sugestão é que faça o trajeto acampando. Se não quer carregar peso, quem sabe deixar suas coisas no camping em Dois Lajeados antes de caminhar e depois que terminar o trekking voltar pra pegar?

      Resposta
  • abril 17, 2021 em 9:37 pm
    Permalink

    Olá Henrique. Por favor, como são os acampamentos ao longo dessa trilha? É possível ir ser levar barraca? E quanto a alimentação? Desde já fico muito grato por essas informaçoes…sou um peregrino habitual. Abraço

    Resposta
    • abril 18, 2021 em 3:20 pm
      Permalink

      Oi Maciel!

      A princípio, precisa levar barraca, comida, tudo o que for utilizar. No Recanto da Ferrovia, no Pesseguinho, até dá pra ligar pra lá e combinar com o dono dele fazer algum rango e até ver a disponibilidade em outras formas de hospedagem. No V13, tem uma cantinazinha onde se consegue comprar algum lanche, mas hospedagem, só levanto tua barra mesmo!

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.