Vacinas, passaporte, segurança? Informações para viajar pelo Peru

vale cidade montanhas
Vale Sagrado dos Incas, em Cusco

1. É preciso despachar a mala ao viajar de ônibus, como no aeroporto

Vai ser estranho nas primeiras viagens, mas quando você for viajar de ônibus pelo Peru, terá que despachar sua mala antes de embarcar, no guichê da empresa. Mas não se preocupe, até hoje, nunca ficamos sabendo de qualquer roubo ou problema com esse sistema. Bem ao contrário: parece ser bem mais seguro que o nosso.

2. Só é preciso de passaporte para ingressar no Peru

Brasileiros não precisam de visto, muito menos de passaporte para entrar no Peru. Você pode ingressar no país somente com RG, desde que a foto esteja legível e você  tenha sido expedido há menos de dez anos e esteja em bom estado, com foto legível e, de preferência, atual.

Existe uma lenda urbana que o documento precisa ter, no máximo, dez anos, mas não é verdade. Se você estiver parecido com a foto, não terá problemas. Carteira de motorista não vale. Não se esqueça de guardar todo papel que você receber na alfândega, ao entrar no país. Como turista, brasileiros podem viajar por até três meses pelo país.

Se você tiver qualquer outra dúvida legal, recomendo que consulte o Portal Consular do Ministério de Relações Exteriores, onde estão reunidas informações oficiais, fornecidas pelo governo, sobre o ingresso no país.

3. Vacina para a febre amarela não é obrigatória

Muita gente acha que é preciso da vacina para entrar no país, mas ela não é exigida. Entretanto, é recomendada pela Anvisa.

4. Porquinho da índia é comida

Se você ler “cuy” em algum cardápio de restaurante, saiba que é o nome que eles dão para o porquinho da índia, que lá não é animal de estimação, e sim um prato típico. Não é difícil ver vários presos em uma rede, sendo vendidos vivos nas proximidades dos mercados públicos. Dependendo do estabelecimento, você ainda terá a oportunidade de provar carne de alpacas e llamas.

alpacas

 

5. Pepeka é o nome do presidente

Impossível, nesse momento, não fazer uma piadinha com o nome do presidente do Peru. Eleito em 2015, o nome do empresário Pedro Pablo Kuczynski foi abreviado para a campanha e a sigla, PPK, acabou pegando.

6. É um país seguro para viajar

É muito raro acontecer um crime violento no Peru. Há muitos furtos, principalmente em lugares e ruas muito movimentadas. Em comparação ao Brasil, é um país seguro. Tenha os mesmos cuidados que você tem ao andar por aqui com seus pertences, que dificilmente acontecerá algo.

Se fizer qualquer pagamento para passeios ou tour, peça um recibo.

7. O quêchua é um dos idiomas oficiais do país

Estima-se que 3.5 milhões de peruanos se comuniquem em quêchua, a língua oficial do império Inca. Em cidades mais isoladas, como Huaraz, não é difícil encontrar algum local que fala apenas algumas palavras básicas em espanhol.

8. A paternidade do pisco é motivo de brigas com o Chile

A rivalidade entre peruanos e chilenos não é motivada apenas pela Guerra do Pacífico, no século XIX (sim, ela ainda é lembrada por eles, principalmente os mais velhos). A maior polêmica entre os dois países é motivada pela paternidade do pisco, um destilado de vinho. Enquanto a bebida peruana tem três variações, de acordo com a uva que predomina, a fabricação chilena mistura diversos tipos da fruta e cria variações a partir do tempo de maturação no barril. Receitas a parte, ambos países disputam o título de inventor do Pisco.

9. Muitas cidades não tem rodoviárias

Mesmo na capital do Peru, Lima, não existe uma rodoviária. Há um terminal rodoviário em Olivos, no norte da cidade. Porém, o maior fluxo de passageiros sai da garagem das empresas. Se você for tomar algum ônibus, informe-se sobre o nome da empresa com a qual vai viajar e o endereço de onde o coletivo vai sair, pois muitas vezes as empresas possuem mais de uma garagem.

Ao mesmo tempo, cidades como Cusco e Arequipa possuem terminais de ônibus. A segunda, até é preciso ter um pouco de atenção. São duas rodoviárias, uma com destinos localizados dentro do departamento (como chamam os estados) e outro para o restante do País. Uma está localizada em frente da outra.

lagoa churup
Laguna Churup, em Huaraz

10. Se for fazer um saque em caixa eletrônico, confira a tarifa antes, pois cada banco cobra a sua

O melhor banco que encontrei para fazer saques em caixa eletrônico é o BBVA, que cobra a menor taxa. Em todo caso, sempre confira o valor cobrado antes de sacar: ele é informado na própria tela do terminal, antes de você efetivar a transação. E claro, lembre-se de desbloquear, antes da viagem, o seu cartão para uso no Peru. Importante lembrar que os bancos brasileiros também cobram suas taxas.

11. Mesmo nos restaurantes econômicos, a comida é boa e o cardápio, farto

A fama da boa culinária peruana pode ser comprovada mesmo nos restaurantes mais humildes. O menu do dia, geralmente, não se resume a apenas um prato, mas diversas opções com sopa de entrada, um segundo (o prato principal) e sobremesa. Tome cuidado apenas com os molhos de pimenta, feitos de locoto, que são servidos juntos com a refeição. Costumam ser bem picantes.

A Playa Roja fica em Paracas

Se você vai viajar para o Peru, talvez essas matérias podem ajudá-lo:

Dicas para economizar no Peru;
– Como chegar, a melhor época e quanto custa conhecer Machu Picchu
– Saiba tudo sobre Huacachina, um oasis no meio do deserto peruano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.