Conheça Misa, a japonesa que viaja há mais de três anos sozinha pela América do Sul

salar uyuni mulher sozinha

Misa Yamashita tem 30 anos e nasceu em uma pequena cidade litorânea do Japão, chamada Fujisaw. Em 9 de outubro de 2014, colocou a mochila nas costas e embarcou em direção a Ciudad de México, onde começou a maior aventura de sua vida.

Mais de três anos e cinco meses depois, ela segue em seu mochilão que, a princípio, era para durar apenas um ano. “Quero conhecer os costumes, como vivem, realmente, as pessoas de outros países. Por isso, viajo muito devagar. Após um ano, eu estava mal na América Central”, explica Misa.

Mesmo não sendo sua primeira experiência (já havia feito mochilões por Tailândia, Malásia, Índia e Nepal e, depois, por Cuba, Jamaica e Puerto Rico), familiares e amigos se mostraram bem preocupados quando ela anunciou que viajaria pelas Américas Central e do Sul. “Alguns familiares e amigos disseram ‘outra vez?’ Boa parte ficou um tanto aflita. Associamos a América Latina a um continente violento, perigoso. Eu ainda tinha um noivo. Mas acabei escolhendo viajar. Pensei que deveria fazer o que queria”, afirma.

Trabalho durante a viagem

trabalhar durante mochilão

Para financiar o começo da aventura, Misa economizou muito e foi disciplinada. Trabalhou mais horas que o habitual e só comprou o necessário. Por um bom tempo, não adquiriu roupas novas ou sapatos. Nem conseguiria, pensava e sonhava apenas com a viagem.

.: Como economizar viajando pelo Peru?
.: Vale a pena fazer seguro-viagem?

Com o seu roteiro ficando mais longo, a solução para seguir na estrada foi buscar serviços pelo caminho. “Trabalhei em bares e até numa fazenda. Fiz alguns voluntariados. Há um site chamado Workaway que me ajudou muito. Você pode trocar algumas poucas horas de serviço por uma cama e café-da-manhã”, complementa.

Como é ser mulher e viajar sozinha

como é mulher viajando sozinha

Até agora, Misa já passou por 15 países do continente. Muitos deles estão entre os mais machistas do mundo. No Japão, a mulher tem uma posição mais baixa frente a sociedade. Até poucas décadas atrás, somente pessoas do sexo masculino podiam ser empresários ou exercerem altos cargos em empresas. Uma realidade que, vagarosamente, está mudando.

Mesmo com esse tratamento diferenciado, o assédio lá é mais velado, e não explícito como aqui. Misa garante que não tem medo, mas se surpreendeu com a forma com que alguns homens lhe trataram, principalmente na rua. “É chato, desrespeitoso, mas não são todos. Conheci muito mais homens legais, que me respeitaram, do que homens que me assediavam”, garante.

Transformação

“Acho que mudei muito. Era tímida e ainda sou, mas estou bem mais aberta. Conheci gente de todo mundo, que me ajudaram a mudar minha mentalidade e perspectiva. Aprendi novos idiomas, o que foi uma das coisas mais maravilhosas de todas. Posso me comunicar com pessoas de outros continentes. Falamos, rimos e somos amigos. É maravilhoso, não acha?”, analisa Misa.

Entre os lugares que mais gostou, estão a patagônia e a parte Argentina das Cataratas de Iguaçu. Ela revela isso emendando com um “desculpa, Brasil”. E aqui, qual foi o lugar que mais gostou?

mulher pode viajar sozinha

“Amo a Chapada Diamantina e Arraial D’Ajuda. O primeiro é um lugar lindo, com paisagens incríveis, cascatas e rios para nadar. Arraial já é uma cidade pequena, com praia e selva. A vista da costa é uma das mais bonitas do Brasil. Infelizmente, só posso viajar seis meses pelo Brasil e meu tempo está acabando. Gostaria muito de passar mais tempo ou voltar pra cá”, revela.

Ela afirma que foi muito bem tratada pelos brasileiros e não pode contar quantas pessoas lhe ajudaram. Lhe chamou a atenção que as pessoas conversam em uma parada de ônibus e em uma loja como se fossem seus amigos. Algo que não acontece no Japão.

E quando pretende voltar para o seu país? “Sinto muitas saudades dos meus amigos, familiares e da comida do país. Pretendo terminar minha viagem em julho e voltar. Não acho que vou viajar dessa forma de novo. Faz muito tempo que saí e gostaria muito de passar um bom tempo com minha família e amigos. Mas não sei se gostaria de morar no Japão. Queria mesmo é ir para uma ilha tropical, como a Indonésia e a Filipinas”, concluiu.

E se você já pensou em fazer o caminho inverso e conhecer o país da Misa, vale ler esse artigo sobre roteiros de dez dias para viajar pelo Japão do blog Novo Cálculo da Rota!

Fotos: Arquivo Pessoal

Henrique Lammel

Jornalista e produtor de conteúdo

3 comentários em “Conheça Misa, a japonesa que viaja há mais de três anos sozinha pela América do Sul

  • março 24, 2018 em 9:15 am
    Permalink

    Sensacional amigo….Incrível a história dela mesmo…parabens!!!

    Resposta
  • março 9, 2018 em 12:17 am
    Permalink

    Hermosa historia!! Ella es una gran chica, la conocí en Mexico. quiza deberían publicarla también en ingles para darle más alcance, yo estoy en Asia ahora, y he conocido mucha gente que le da miedo viajar a latinoamerica porque nos asocian con violencia, drogas y pobreza, y eso no me ha gustado. quisiera compartir su nota con mis amigos y conocidos aqui.

    Resposta
    • março 9, 2018 em 11:07 am
      Permalink

      Gracias por la idea! Y es verdad. Lo que la gente mira em la television dejan las personas com miedo. Cuando la Sudamerica es un continente hermoso, con peronsas muy alegres y amigables.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.