Machu Picchu barato pela hidrelétrica: como é a trilha

ponte montanhas

Existem, pelo menos, dez maneiras para se chegar em Machu Picchu. O caminho pela hidrelétrica é uma das alternativas mais baratas e rápidas. Uma parte do trajeto você vai fazer de van (entre Cusco e a hidrelétrica – percurso que leva seis horas).  O restante, caminhando pela beira da ferrovia.

A hidrelétrica é o ponto mais próximo que se pode chegar de Machu Picchu por estrada. Dali, são mais duas horas de caminhada (a distância são de exatos 13,8km)  até Águas Calientes, ou Machu Picchu Pueblo, a cidade que fica aos pés do parque.

Se você está com algum receio, fique tranquilo. A dificuldade não é alta (o caminho é praticamente plano) e é só seguir os trilhos de trem que você não irá se perder. Sem contar que há muita gente transitando pelo trecho, indo e voltando de Águas Calientes.

como chegar em machu picchu pela trilha da hidreletrica

Em amarelo: caminho de Cusco até a Hidrelétrica

Economia

Enquanto que o trem que vai até Águas Calientes não sai por menos de US$ 55 o trecho (US$ 110 ida e volta), é possível encontrar transporte direto para a hidrelétrica por US$ 10 (US$ 20 ida e volta), nas agências turísticas de Cusco.

trem machu picchu

A vantagem do trem, além do conforto, é o tempo de viagem. De van, são seis horas até a hidrelétrica, costeando montanhas e vales, muitas vezes por uma estreita estrada de terra. Depois, mais duas horas caminhando pela beira da ferrovia.

De trem, são duas horas e meia, pelo meio do vale do Rio Urubamba. E você para diretamente em Águas Calientes.

Como é a trilha

trilo de trem montanhaAs vans deixam os passageiros na estação de trem da hidrelétrica. Ao redor, há diversos restaurantes baratos e vendinhas, com produtos a preços bem melhores que em Águas Calientes.

Deve-se seguir pela linha férrea por alguns metros e tomar uma trilha que sobe à sua mão direta. A subida é um pouco inclinada é dá com outra ferrovia. Agora, é só seguir em frente. Se você se manter nos trilhos, não há como se perder. O fim da malha é em Águas Calientes!

Tenha um pouco de cuidado com suas costas quando estiver indo, pois o trem passa frequentemente. Pelo menos uma vez, ele vai passar por você.

Em determinada época do ano, as árvores ficam recheadas de mangas e outras frutas.

Dificuldade

Quanto ao mal de altitude, não se preocupe com ele. Se Cusco está a 3300 metros e sentimos muito cansaço, essa região está aos 2 mil metros, de forma que só as pessoas mais sensíveis vão sentir as reações do soroche.

Se, depois de quase duas horas caminhando, você chegar em um túnel, é porque passou da entrada principal. Águas Calientes está do outro lado. Há uma placa dizendo que é proibido atravessá-lo por questões de segurança. O melhor, no caso, é voltar um poquinho e entrar na cidade pelo local correto.

O que levar

Protetor solar e um boné ou chapéu são importantes para se proteger do sol, pois a maior parte do caminho é exposta, sem sombra de árvores. Repelente também é indispensável, como lanches e água. Lembre-se que são oito horas de trajeto.

De Águas Calientes a Machu Picchu

cidade montanhas

Para chegar em Machu Picchu, são necessárias mais 2 horas de caminhada, subindo por uma trilha de pedras, ou tomar um ônibus na cidade, cujo trecho custa US$ 40 (o mais caro do mundo). De toda forma, compreenda que se você for pelo caminho da hidrelétrica, não é possível ir e voltar de MaPu no mesmo dia.

São seis horas de estrada, mais duas horas de caminhada. É bem possível que você chegue em Águas Calientes já tarde da noite, com o sol se pondo. Horário em que o parque estará fechado.

Normalmente, dorme-se essa noite na cidade e acorda-se às 3 da manhã para iniciar a subida, chegando na entrada do parque com o nascer do sol.

Henrique Lammel

Jornalista e produtor de conteúdo

3 comentários em “Machu Picchu barato pela hidrelétrica: como é a trilha

  • Maio 14, 2018 em 2:59 pm
    Permalink

    Há a possibilidade de fechar com a van só um trecho? Ida ou volta

    Resposta
  • Fevereiro 21, 2018 em 12:15 pm
    Permalink

    Dicas muito boas. Já conheço MaPu e estive em Cuzco novamente em janeiro de 2017 mas não fui até lá.
    Boas alternativas são sempre bem vindas!
    Abraços,
    Marcos (www.viagemfamilia.com.br)

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.